ESTUDO:“PESADO FOSTE NA BALANÇA E ACHADO EM FALTA”: O JUÍZO DE DEUS SOBRE O REI BELSAZAR


 UM ESTUDO EM DANIEL 5.1-31
 
INTRODUÇÃO: Estas duas últimas semanas eu tenho repetido muito, nas conversas e no púlpito, o que diz o Sl 92.14 quando afirma que justiça e direito (juízo) são os fundamentos do trono de Deus. E sabe por que tenho dito isto? Por que o Senhor tem me falado que muitos crentes estão com sérios problemas porque andam zombando do Senhor vivendo uma vida de desobediência e afronta a tudo quanto tem sido ensinado na Igreja através da Palavra de Deus pelo Espírito Santo. Deus é misericordioso e longânimo, mas há uma linha invisível que separa a paciência de Deus da ira de Deus. É terrível quando Deus entrega alguém à sua própria sorte porque a pessoa insisti em ser desobediente e persisti em viver no pecado. Chega um dia em que Deus diz: Basta! A história do Rei Belsazar é uma importante lição para todos nós.
 
I. AS OPORTUNIDADES – V. 22
 
1. Um homem que testemunhou as obras de Deus dentro da sua casa, mas as desprezou
·       Belsazar era da família real. Seu pai ou avô, Nabucodonosor foi convertido a Deus (veja nosso estudo sobre ele). Ele presenciou todos os acontecimentos relatados nos capítulos 1-4 de Daniel. Ele devia ter a idade de Daniel. Ele viu o testemunho de Daniel e de seus amigos. Ele viu como Deus libertou os amigos de Daniel da fornalha. Ele viu como Nabucodonosor foi arrancado do trono para tornar-se um animal, até que seu coração foi humilhado e convertido.
·       Apesar de conviver com verdadeiros testemunhos a respeito de Deus, ele tapou seus ouvidos, fechou seus olhos e endureceu seu coração. O rei Belsazar cruzou a linha da ira de Deus naquela mesma noite e pereceu. Viver no pecado é loucura. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo.
 
2. Um homem que desprezou a Deus nem lhe deu glória, a despeito de conhecer a verdade – v. 22
·       A impiedade produz perversão. O desprezo do conhecimento de Deus leva o homem a uma vida dissoluta moralmente. Belsazar conhecia a verdade, mas não foi dirigido por ela. Ele conhecia a verdade, mas a rejeitou deliberadamente para viver em seus pecados.
 
II. O ORGULHO PRECEDE A RUÍNA – V. 1-4, 30
 
1. Babilônia estava sendo tomada e o rei estava festejando – v. 2-4, 30
·       Naquela noite, o rei Dario estava desviando o curso do rio Eufrates, e marchando pelo leito do rio para entrar na inexpugnável cidade para tomá-la. O império estava caindo e o rei estava festejando. Aquela era a sua última noite, e o rei estava se embriagando.
 
2. O rei deu uma grande festa no dia da sua grande ruína – v. 1
·       Ele estava fazendo uma festa no dia mais fatídico da sua vida. A maior cidade do mundo estava sendo tomada e o rei e os nobres estavam bebendo e se divertindo. Eles estavam à beira de um abismo e não estavam percebendo. Muitas pessoas também não se percebem o risco que correm. Estão à beira da morte, nas barras do juízo de Deus e continuam anestesiadas pelos seus pecados.
 
3. O rei foi anfitrião de uma festa dissoluta, de embriaguez e sensualidade na noite do seu juízo – v. 2-3
·       Outro erro do rei foi o abuso da bebedeira. A bebedeira é um espetáculo indigno que produz consequências desastrosas. Quem bebe está à beira de um abismo: acidentes de trânsito, delitos sexuais, adultérios, assassinatos têm muitas vezes sua origem no álcool.
·       Ele gostava de pompa. Vivia para o prazer. Usava o poder para se corromper e corromper as pessoas. Quanta gente se vende por tão pouco. Era a festa dos excessos.
 
4. O rei promoveu uma festa de profanação às coisas sagradas e de culto aos ídolos – v. 3,4
·       Além de se entregar à embriaguez, ele deu mais um passo na direção da sua ruína. Mandou trazer os vasos do templo para profaná-los de forma infame. Profanar as coisas de Deus é um grave pecado. Usar os vasos do templo, consagrados para o culto ao Senhor, numa bacanal foi uma terrível ofensa à santidade de Deus.
·       Zombou e escarneceu das coisas do Senhor, e insolentemente abusou do povo de Deus. O fato foi de desprezo ao Deus do céu. Belsazar escarneceu do sagrado e exaltou o profano. Quantas pessoas continuam fazendo isso até mesmo dentro das Igrejas Evangélicas.
·       Além de profanar as coisas de Deus, o rei ainda usou os vasos do templo para honrar os ídolos. A idolatria é um pecado ofensivo a Deus. A idolatria é uma expressão de profunda cegueira espiritual. Ela provoca a ira de Deus.
 
III. A MÃO DE DEUS ESCREVEU A SENTENÇA – V. 5-9
 
1. Deus transforma os prazeres do pecado em perturbação – v. 5-6, 9
·       No auge da festa apareceu uns dedos escrevendo na parede. A conversa acabou. Em poucos segundos todo o ambiente estava transformado. A alegria da festa acabou também. O desespero tomou conta de todos. O rei empalideceu. Deus anotou todos os seus pensamentos, palavras e obras. Deus deu o basta.
·       Se apenas uns dedos, escrevendo silenciosamente umas poucas palavras, causaram tão grande pavor, imaginemos como então se sentirão os pecadores quando virem o Senhor em toda a plenitude da sua glória e ouvirem a sua voz proferindo a terrível sentença: “Apartai-vos de mim malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”.
 
2. Deus confundiu os sábios do mundo com os seus mistérios – v. 7-8
·       O rei buscou uma explicação para a misteriosa aparição nos sábios da Babilônia. Mas eles não sabiam nem podiam. As coisas de Deus são para os filhos de Deus. Eles não podiam discernir as coisas espirituais. A sabedoria humana não pode ajudar um homem aflito, em rebelião contra Deus.
 
3. Deus confrontou os pecadores através de servos fiéis – v. 10-17
·       Belsazar não quis ouvir o profeta Daniel durante os dias da sua vida, agora precisou ouvi-lo na hora da sua morte. Daniel era um homem insubornável. Ele não fazia a obra de Deus por dinheiro. Ele não vendeu seu ministério. Ele não buscou favores dos poderosos deste mundo. Ele tinha um compromisso com Deus.
 
IV. O JUÍZO DE DEUS FOI MANIFESTO PELO PROFETA – V.18-23
 
1. Julgado culpado porque deixou de reconhecer que Deus, o Altíssimo, é Soberano – v. 18-21
·       Foi Deus quem deu o reino, grandeza e poder a Nabucodonosor (v. 18). A grandeza da Babilônia não era conquista dos seus reis, mas dádiva de Deus. Nabucodonosor demorou muitos anos para entender isso. Mas seu filho não reconheceu isto. E por isso é confrontado.
 
2. Julgado culpado porque deixou de se humilhar diante de Deus – v. 22
·       Quanto mais luz temos, mais responsáveis somos. Ele viu o que aconteceu com o rei Nabucodonosor, indo comer capim com os bois, porque endureceu sua cerviz. A despeito de tantos exemplos, esse rei ainda mantinha seu orgulho, soberba e incredulidade.
·       O rei estava tão cego que não conseguia enxergar sua ruína. Fez promessas aos sábios da Babilônia (v. 7) e a Daniel (16) que não pode cumprir. Ele pensava que podia honrar aqueles que prestassem favores e nem sabia que naquela noite morreria e seu império estaria nas mãos de outro rei. Belsazar foi condenado por seu orgulho. Aquele que não adora a Deus adora a si mesmo e a outros deuses.
 
3. Julgado culpado porque fez um mau uso do conhecimento que recebera – v. 22
·       O conhecimento das coisas de Deus nos torna responsáveis. O rei pereceu não por falta de luz, mas por cegueira deliberada. Ele morreu não por ignorância, mas por rebeldia.
 
4. Julgado culpado porque afrontou a Deus em cujas mãos estavam a sua vida – v. 23
·       Ele profanou os vasos do templo. Deu louvores aos deuses de ouro e pedra, e não exaltou a Deus, em cujas mãos estava a sua vida. A idolatria é uma afronta a Deus. É levantar-se contra o Senhor.
 
V. A CONDENAÇÃO E O JUÍZO – V. 24-31
 
1. Deus contou o seu reino e deu cabo dele – MENE – v. 24-26
·       A mão de Deus escreveu na parede: MENE, MENE, TEQUEL E PARSIM (v. 25).
·       MENE, MENE trata de uma repetição de ênfase. Os dias de Belsazar estavam contados. Deus decidiu trazer o fim do seu reino. O período do seu governo havia terminado. Durante todos aqueles anos, Deus lhe deu oportunidades, mas ele se recusou. Agora Deus diz: Basta! Acabou! (v. 26).
2. Deus o pesou na balança e o achou em falta – v. 27
·       TEQUEL - Deus pesou cada ato da sua vida: seus pecados ocultos e conhecidos, suas desordens e bebedeiras, sua rejeição às coisas santas e resistência às coisas espirituais. Deus pesou o seu orgulho e sua soberba. Deus pesou tudo na balança. Ponderou sua vida do princípio ao fim. E o achou em falta!
·       Uma vez que Deus não julga imediatamente, os ímpios concluem que não o fará de modo algum. Porém, ele pesa em sua balança toda zombaria e afronta. Nada é esquecido. Deus tem cada ação do homem gravada no céu. Deus registra tudo.
3. Deus dividiu o seu reino e o destruiu – v. 28-31
·       PARSIM – PERES – Peres quer dizer dividido. O seu reino seria dividido e destruído. Isso aconteceu pelo poder dos medos e dos persas. O mesmo Deus que dera o reino a Nabucodonosor (v. 18), agora o dará aos medos e aos persas (v. 28).
·       E não foi somente aquele reino que Belsazar perdeu. Ele perdeu também o reino de Deus. O rei atravessou a linha divisória da paciência de Deus. Tudo que agora o espera é “certa expectação horrível de juízo e fogo vingador” (Hb 10:27).
 
CONCLUSÃO: Naquela mesma noite, durante a festa, o rei Dario desviou o curso do rio Eufrates e o transpôs. Assim, seus exércitos invadiram a inexpugnável cidade, mataram o rei Belsazar e tomaram a Babilônia. A história registra a espetacular estratégia de conquista: “Dario desviou o Eufrates para o novo canal, e guiado por dois desertores, marchou pelo leito seco rumo à cidade, enquanto os babilônios farreavam numa festa a seus deuses”. Belsazar não aproveitou a sua última oportunidade. No momento em que Deus fez a sua chamada final ele estava bêbado. Ai dos que deixam passar as oportunidades. Naquela mesma noite Belsazar morreu sem Deus, sem paz, sem salvação. Que possamos ter tremor e temor na presença do Senhor porque a própria Bíblia nos adverte: “Deus não tem o culpado por inocente”. SOLI DEO GLORIA

3 comentários:

josimar santos silva disse...

MUITO BOM MARAVILHOSO, O ETERNO CONTINUE ABENÇOANDO!!!!!!

Leide Guimarães disse...

MaravilhosA explicação é de fácil aplicação para nossas vidas. Que a mensagem de Deus venha a ser coluna de salvação em nossas vidas.

Joyce Silva Laudino disse...

Muito bom, entendi a palavra q Deus me deu. Q possamos usar em nossas vida.

Postar um comentário