ESTUDOS BÍBLICOS: A VIDA CONJUGAL SEGUNDO A PALAVRA DE DEUS:



  
UM ESTUDO EM EF 5.22-23
Introdução: Nos dias de hoje, a situação social dos lares é grave. O conceito de família está confuso. Há confusão de papéis. O novo código civil parece não reconhecer a diferença de papéis. Reconhece-se a legitimidade de relações que a Bíblia chama de adultério. As relações homossexuais estão se tornando cada vez mais aceitáveis. A infidelidade atinge mais de 70% dos casais. O índice de divórcio aumenta assustadoramente. O ser humano está voltando às mesmas práticas reprováveis nos tempos primitivos. Mas com tudo isso, a Bíblia tem regras claras, práticas e divinas para a vida conjugal e familiar.

I. O PAPEL DA ESPOSA – V. 22-24
1. O problema da palavra “submissão”. Devemos desvincular a palavra “submissão” dos sentidos adulterados. A mulher não é inferior ao homem. Ela é tão imagem de Deus quanto o homem. Ela foi tirada da costela do homem e não dos pés. Ela é auxiliadora idônea (aquela que olha nos olhos) e não uma escrava. Aos olhos de Deus ela é co-igual ao homem (Gl 3:28; 1 Pe 3:7).  A submissão da esposa ou de cada crente a Jesus é uma submissão absolutamente exclusiva e voluntária. Todos nós somos servos de Cristo. Nunca se afirma, porém, que a esposa deva ser escrava ou serva do marido. Nossa relação com Jesus é uma relação de submissão completa, inteira e absoluta. Não é essa a exortação dirigida às esposas. Se a submissão da esposa ao marido implicar na sua insubmissão a Cristo, ela precisa desobedecer ao marido, para obedecer a Cristo.

2. O que é submissão segundo a Bíblia. A submissão da esposa ao marido não é igual a Cristo, mas por causa de Cristo. A esposa se submete ao marido por amor e obediência a Cristo. A esposa se submete ao marido para a glória de Deus (1 Co 10:31). A esposa se submete ao marido para que a Palavra de Deus não seja blasfemada (Tt 2:3-5). A submissão da esposa ao marido é sua liberdade  e não a escravidão. A verdade liberta.  A submissão da esposa ao marido é sua glória, assim como a glória da igreja é ser submissa a Cristo. A submissão da igreja a Cristo não a desonra nem a desvaloriza. A igreja só é feliz quando se submete a Cristo. Quando a igreja deixa de se submeter a Cristo ela perde a sua identidade, seu nome, sua reputação, seu poder. A submissão não é a um senhor autoritário, autocrático, déspota e insensível, mas a alguém que a ama ao ponto de dar sua vida. Da mesma forma, a submissão da esposa não é a um tirano, mas a um marido que a ama como Cristo ama a igreja.

II. OS DEVERES DO MARIDO – V. 25-33

1. Se a palavra que caracteriza o dever da esposa é submissão, a palavra que caracteriza o do marido é amor. O marido nunca deve usar sua liderança para esmagar ou sufocar a esposa ou para frustrá-la de ser ela mesma. A ênfase de Paulo não está na autoridade do marido, mas no amor do marido (v. 25, 28,33). O que significa ser submisso? É entregar-se a alguém. O que significa amar? É entregar-se por alguém. Assim submissão e amor são dois aspectos da mesmíssima coisa.
2. Definindo o amor do marido pela esposa
  • Um amor imitando o amor de Cristo pela igreja: foi proposital, sacrificial, santificador, altruísta, abnegado e perseverante.
  • Um amor feito de entrega – Um amor não egoísta, mas devotado à pessoa amada.
  • Um amor que santifica - O amor visa o bem da pessoa amada.
  • Um amor que constrói – O amor busca a perfeição da pessoa amada.
  • Um amor que visa somente o bem - O amor visa à felicidade plena com a pessoa amada.
3. O marido deve cuidar da vida espiritual da esposa – v. 25b-27
  •   O marido é o responsável pela vida espiritual da esposa e dos filhos. Ele é o sacerdote do lar
  • O marido precisa buscar a santificação da esposa. Deve ser a pessoa que mais exerça influência espiritual sobre ela.
  • Deve ser uma bênção na vida dela (Pv 31).
4. O marido deve cuidar da vida emocional da esposa – v. 28-29

  • O marido fere a si mesmo ferindo a esposa. 
  • Como o homem deve tratar a sua esposa?
a) Ele não deve abusar dela – Um homem pode abusar do seu corpo, comendo em excesso, bebendo em excesso. Um homem que faz isso é néscio, porque ao maltratar o seu corpo, ele mesmo vai sofrer. O marido que maltrata a esposa é néscio. Ele machuca a si mesmo ao ferir a esposa. Exemplo: Um marido pode abusar da esposa: sendo rude, não dando tempo, atenção, carinho, usando palavras e gestos grosseiros, sendo infiel.
b) Ele não deve descuidar dela – Um homem pode descuidar do seu corpo. E se o faz é vai sofrer por isso. O marido descuida da esposa com reuniões intérminas, com Televisão, com Internet, com roda de amigos. Há viúvas de maridos vivos. Maridos que querem viver a vida de solteiros. O lar é apenas um albergue.
5.  O marido deve zelar pela esposa – alimenta e dela cuida – Como o homem sustenta o corpo?
a) A dieta - Um homem deve pensar em sua dieta, em sua comida. Deve tomar suficientes alimentos e tomá-los regularmente. Assim também o marido deveria estar pensando no que ajudará sua esposa.
b) Prazer e deleite – Quando ingerimos nossos alimentos não só pensamos em termos de calorias, ou proteínas. Não somos puramente científicos. Pensamos também naquilo que nos dá prazer. Desta maneira o marido deve tratar a esposa. Ele deve estar pensando no que a agrada. O marido deve ser criativo no sentido de sempre alegrar a agradar a esposa.
c) Exercício – A analogia do corpo exige mais este ponto. O exercício é fundamental para o corpo. O exercício é igualmente essencial para o casamento. É o diálogo. É a quebra da rotina desgastante. A comunicação no casamento é vital = saber ouvir + saber falar + transparência + perdão + verbalizar amor.
d) Carícias – A palavra cuidar só aparece aqui em 1 Ts 2:7. Significa acariciar. O marido precisa ser sensível às necessidades emocionais e sexuais da esposa. 98% das mulheres reclamam da falta de carinho. O marido precisa a aprender a ser romântico, cavalheiro, gentil, cheio de ternura.

6. O marido deve cuidar da vida física da esposa – v. 30
• O marido deixa todos os outros relacionamentos para concentrar-se na sua esposa, ou seja, deve amar a esposa com um amor que transcende todas as outras relações humanas – Ele deixa pai e mãe. Sua atenção se volta para a sua mulher. Seu propósito é agradá-la.
• O marido se une à sua mulher – uma união heterossexual, monogâmica e indissolúvel.
• Os dois se tornam uma só carne – O sexo é bom e uma bênção divina na vida do casal. Deve ser desfrutado plenamente em santidade e pureza. 1 Co 7:3-5 e Pv 5:15-19 mostram como deve ser abundante essa relação sexual.

Conclusão: Numa época como a nossa de falência da virtude, enfraquecimento da família e explosão de divórcio, esta idéia cristã do casamento deve ser com mais frequência difundida entre o povo. O dever da esposa é respeitar e o dever do marido é merecer o respeito – v. 33.

 

 

1 comentários:

Nunes Helena disse...

Quando vai falar com as mulheres.
Concordo que nos homens somos muito falhos precisamos mudar .
Este é o propósito de procurar bons estudos .
Mas nos da a impressão que neste estamos no banco dos réus.

Postar um comentário